BLOGGER TEMPLATES - TWITTER BACKGROUNDS

A fé nos dá forças para viver, vencer e ser feliz


BRASIL SEIKYO, ED. Nº 1595, PÁG. A3, 17/MARÇO/2001.

Discurso proferido na Conferência Executiva da SGI de Hong Kong e Macau, realizada no Grande Centro Cultural de Hong Kong no dia 4 de dezembro de 2000.


  • Viajando para a vitória no século XXI

O grande escritor chinês Lu Xun (1881–1936) fez a seguinte observação: “É verdade que devemos viver para evoluir; que temos também de passar por dificuldades para nos livrarmos de todos os futuros sofrimentos; e que devemos lutar para realizar a reforma.”¹

Estou convicto de que todos nós estamos avançando na vida destemidamente, com o olhar fixo num futuro cheio de esperança.

Junto com os companheiros de Hong Kong e Macau, a SGI iniciou sua jornada para o século XXI, liderando o mundo inteiro. Hong Kong e Macau são como corcéis alados que alçaram vôo pelo céu do novo século. Estão transbordantes de ilimitada energia e irradiando uma enorme esperança.


  • “Que tenham um belo coração!”

Minha jornada para concretizar a propagação do budismo para o oeste, predita por Nitiren Daishonin, iniciou aqui em Hong Kong no dia 28 de janeiro de 1961. Além disso, em minhas primeiras viagens à China, em maio e junho de 1974 — dedicadas à edificação de uma dourada ponte de amizade entre o Japão e a China —, fui e voltei da China via Hong Kong.

A Universidade Chinesa de Hong Kong foi a primeira das 73 universidades com as quais a Universidade Soka desfruta hoje de intercâmbios acadêmicos e educacionais.

E o primeiro jardim-de-infância Soka aberto fora do Japão foi o de Hong Kong, inaugurado em 1992, o qual é uma fortaleza pioneira da educação humanística pré-escolar para o século XXI. Seguindo sua liderança, foram também abertos jardins-de-infância em Cingapura e na Malásia. Pude visitar estes dois jardins-de-infância durante esta viagem.

Hoje estou feliz por me encontrar com ex-alunos da primeira, da segunda e da terceira turmas do Jardim-de-Infância Soka de Hong Kong. Quando os encontrei pela primeira vez — ainda graciosos alunos do jardim-de-infância — há sete anos, no mês de maio, escrevi uma dedicatória com as seguintes palavras: “O Jardim-de-Infância Soka de Hong Kong é a minha vida”, e “Que sejam bons! Que tenham um belo coração!” Digo-lhes agora o quanto me sinto feliz por eles terem se tornado jovens tão maravilhosos. Gostaria de manifestar minha consideração e gratidão pelos esforços empreendidos pelo diretor Wong So Yuk e a todos os excelentes funcionários do jardim-de-infância que se devotaram sinceramente à educação humanística.

De fato, a SGI de Hong Kong e a de Macau têm sido portos de paz, educação e cultura para toda a Ásia — como uma brilhante fonte de esperança e de afluentes de eterno desenvolvimento. Espero que vocês, membros de Hong Kong e Macau, continuem a se devotar a essa sublime missão no próximo século.


  • Inesquecível pioneiro do Kossen-rufu de Hong Kong

Um dos inesquecíveis pioneiros do movimento pelo Kossen-rufu de Hong Kong é Chow Tak Kwong. Ele foi um nobre pioneiro que se empenhou arduamente não apenas por seus companheiros de Hong Kong mas também pelos membros de todo o Sudeste Asiático.

O Sr. Chow enviava periodicamente cartas de incentivo aos membros espalhados por Cingapura, Malásia e outras partes da Ásia. Se houvesse algum problema, ele enviava cartas dia sim dia não, e às vezes todos os dias. Que esforço extraordinário ele deve ter empreendido! Pois, além de ser a pessoa central das atividades do Kossen-rufu em Hong Kong, ele era também o atarefado presidente de uma empresa comercial. E não era raro que suas cartas tivessem cinco ou até mesmo dez folhas. Isso foi antes de os telefonemas internacionais tornarem-se comuns, e muito antes do desenvolvimento da Internet. O contínuo encorajamento e apoio que o Sr. Chow dedicava aos membros representavam um enorme esforço de sua parte.

Em uma carta endereçada a um dirigente de uma certa região, ele escreveu: “É importante criar freqüentes oportunidades para o diálogo sincero com seus membros, e as visitas familiares são a única maneira de conseguir isso. Visitando a casa dos membros para compartilhar as orientações e oferecer incentivos, o senhor poderá conversar livremente e estabelecer um elo de confiança mútua. Dizer isso é fácil, mas colocar em prática é um desafio.”

O Sr. Chow sempre fazia questão de visitar regularmente a casa dos membros, e essa é a fonte da forte base da SGI-Hong Kong atual.

As chaves imutáveis de renovado crescimento são a sincera preocupação com os membros, o engajamento habitual nos diálogos sinceros e o apoio e incentivo nas visitas familiares, na orientação individual ou em alguma outra forma de contato.


  • O “Século das Mulheres”

Estamos nos aproximando do “Século das Mulheres”, e espero portanto que os membros da Divisão Feminina da SGI-Hong Kong e da SGI-Macau continuem a avançar com vigor e boa saúde ainda maiores.

Na atual Hong Kong, as mulheres com mais de cinqüenta anos formam mais de 14% da população. Conforme aumenta a expectativa de vida, a população feminina aumenta mais que a masculina.

A Universidade Chinesa de Hong Kong realizou recentemente um simpósio sobre a melhoria da saúde das mulheres idosas e de meia-idade, ocasião em que foram apresentadas várias medidas práticas. Por exemplo, foi sugerido que as mulheres entre os cinqüenta e os setenta anos devem tentar manter o peso e evitar a obesidade. Devem comer muitas frutas e verduras, ingerir bastante cálcio e restringir o consumo de gordura para abaixo de trinta por cento do total diário de calorias. O simpósio salientou ainda a importância de exercitar-se e manter a forma e a mobilidade, e a necessidade de manter a mente ativa para evitar a deterioração das funções mentais. Enfocou também o impacto negativo da ansiedade e da depressão e o perigo que as quedas representam para as pessoas idosas.

Graças às nossas atividades diárias, estamos sempre ativos e ocupados, empenhando-nos em prol do budismo, da sociedade e da felicidade das pessoas; mantemos também nossa mente ativa estudando e discutindo a respeito da filosofia budista; e mantemos nossa disposição elevada e positiva incentivando e apoiando uns aos outros. Com certeza, todas as nossas atividades são excelentes para a saúde! Elas nos ajudam a viver uma vida longa e significativa.

As atividades harmoniosas, alegres e vibrantes dos membros do Grupo Muitos Tesouros (grupo formado por pessoas da terceira idade) da SGI-Hong Kong é uma maravilhosa prova disso.


  • Transformando o mundo com a revolução humana de cada pessoa

Foi publicada recentemente a nova edição chinesa de meu diálogo com o historiador britânico Arnold Toynbee, intitulado Escolha a Vida, pela maior editora de Hong Kong, a Cosmos Books. O respeitado escritor chinês Jin Yong contribuiu com um prefácio cheio de brilhantes gemas de profunda sabedoria nessa nova edição, e gostaria de aproveitar esta oportunidade para agradecer-lhe sinceramente.

O que o Dr. Toynbee enfatizou em nosso diálogo? Um de seus temas principais foi o autodomínio. Simplificando, significa assumir o controle sobre si próprio, superando o pequeno eu que é dominado pelo egoísmo e despertando para o eu maior, que se empenha pelo bem da humanidade. O Dr. Toynbee, um dos maiores historiadores do século XX, acreditava sagazmente que o autodomínio era vital para superar as crises da humanidade. Em resumo, o que ele pedia era nada mais que o que nós da SGI chamamos de “revolução humana” — uma transformação fundamental no coração e na mente dos seres humanos. O Dr. Toynbee declarou: “A única forma [de um ser humano] melhorar [seu carma] é aumentar seu autodomínio, e a luta para dominar a si próprio é a ação pessoal de cada ser humano.”² A conquista do autodomínio criará o progresso significativo e positivo na sociedade, e conseqüentemente mudará o curso da história humana.

Qual é a chave para vencer no novo século? Tudo começa vencendo a nós próprios hoje, aqui e agora; mudando a nós mesmos hoje, aqui e agora. Espero que se lembrem desse ponto.


  • A fé é uma fonte de força ilimitada.

Muitas religiões perderam de vista a intenção do fundador, tornando-se instrumentos de poder e sendo exploradas pelo clero corrupto. E tornaram-se até mesmo a causa de guerra e de conflitos. Mas o propósito original da religião era ser o solo de onde florescem a cultura e a civilização.

A Lei Mística é uma fonte de felicidade. Com a fé na Lei Mística, brota dentro de nós a força para viver, para crescer, para vencer e triunfar sobre o destino.

No Ocidente, a palavra cultura origina-se do verbo “cultivar”. A religião cultiva a vida, e uma vida ricamente cultivada desabrocha com a canção da alegria, com a dança da celebração. Esta é a verdadeira cultura: um hino à humanidade. Também observamos essa alegria na arte budista.

O budismo não utiliza os seres humanos como meios para um fim, mas ensina que os seres humanos devem levantar-se com coragem, dominar a si próprios e então compartilhar sua alegria com os outros. Nós da SGI estamos percorrendo este caminho majestoso.

Os avanços científicos são importantes. O governo, a economia e a educação também são naturalmente importantes. Mas o que é mais importante e fundamental que tudo isso? É a vida. A transformação da vida de cada indivíduo é a base de tudo. Sakyamuni nos ensinou isso, e Nitiren Daishonin também.

Daishonin revelou a Lei que permeia o cosmos e a vida. Ele deixou para todas as pessoas o caminho para encontrarem a felicidade e a paz e para conduzirem uma vida cheia de amor e benevolência. Esta lei insuperável é a Lei Mística, e todos vocês que a abraçaram são tesouros do mundo.

A lei budista de causa e efeito é rigorosa. Quero que todos tenham a convicção de que aqueles que dedicam a vida à Lei Mística serão pessoas saudáveis, ricas e belas, tanto de corpo como de espírito, existência após existência, e, como grandes líderes, contribuirão para a sociedade, conquistarão o respeito e a admiração das pessoas e desfrutarão uma vida de suprema realização.


  • Como as flores, como a lua

O professor associado da Universidade Harvard, Charles Hallisey, utilizou meu livro O Buda Vivo como matéria de uma de suas aulas sobre budismo nessa universidade americana. Ele disse considerar o conceito de revolução humana como uma expressão moderna da doutrina dos três mil mundos num único momento da vida (itinen sanzen, em japonês) do mestre budista chinês Tient’ai — em outras palavras, que uma mudança em um único pensamento, ou instante da vida, conduz à mudança em todos os aspectos da vida.

Com todos os seus esforços, especialmente os dos membros do grupo de manutenção do centro cultural, o Grande Centro Cultural da SGI-Hong Kong está belamente ornamentado com flores bauhinia — símbolo de Hong Kong — e com muitas outras belas flores.

Em uma de suas cartas para celebrar o Ano-Novo, Daishonin escreveu:

“Assim como as flores se abrem e dão frutos, assim como a lua aparece e invariavelmente fica cheia, assim como uma lamparina torna-se mais brilhante ao receber mais óleo, e como as plantas e árvores florescem com a chuva, assim os seres humanos jamais deixarão de prosperar quando fizerem boas causas.” (The Writings of Nichiren Daishonin, pág. 1013.)

Com base na lei de causa e efeito, todos vocês, que estão acumulando as maiores “boas causas” possíveis com suas atividades diárias em prol do Kossen-rufu, seguramente desfrutarão uma boa sorte infinita e imensurável.

Sakyamuni disse: “O perfume dos virtuosos não se perde com o vento; a fragrância das pessoas honestas perfuma todas as direções.”³ Em outras palavras, a grandiosa flor do caráter e da integridade vence todos os ventos desfavoráveis e espalha a fragrância da humanidade a todos os quatro cantos da Terra. A fé de uma pessoa é evidente na radiância de seu caráter.

O século XXI será o século da humanidade, o século da integridade. É por essa razão que gostaria que todos vocês, membros de Hong Kong e Macau, criassem encontros de amizade e confiança compartilhados pelas belas “flores humanas” para que todos — membros e não-membros — sintam-se renovados e energizados por sua presença e inspirados a trabalhar junto com vocês.

Recentemente, os membros do Comitê Executivo da Divisão Sênior de Hong Kong deram-me de presente um selo gigante com a inscrição “Triunfante Defensor do Kossen-rufu Mundial no Século XXI”. É meu mais sincero desejo que todos os membros de Hong Kong e Macau empenhem-se para se tornarem exatamente isto — triunfantes defensores do Kossen-rufu mundial no século XXI.

Para concluir, gostaria de dedicar-lhes um poema:


Daishonin
Com ilimitada benevolência
Abraçará e protegerá
Hong Kong
Lar de sinceros seguidores.

Por favor, transmitam minhas sinceras recomendações a todos os membros que não pude encontrar no dia de hoje.


0 DÚVIDAS? PERGUNTE AQUI.: